Compartilhar esta página

TOMRA FOOD PUBLICA NOVO EBOOK PARA EMBALADORES DE BATATAS FRESCAS

A publicação gratuita e para download aborda os desafios intensificados pela pandemia do COVID-19

07 julho 2020

A TOMRA Food publicou um eBook para ajudar os embaladores de batatas frescas a enfrentarem os desafios operacionais intensificados pela pandemia de COVID-19. A publicação de 19 páginas, disponível gratuitamente para download no site da empresa, oferece informações e conselhos que serão úteis para os embaladores não apenas agora, enquanto as condições do mercado são distorcidas, mas também muito depois da pandemia.

O eBook começa reconhecendo que o dano infligido à indústria de batata pelo COVID-19 não é imparcial. Embora muitos produtores e processadores de batata tenham sofrido por causa da perda de demanda nos estabelecimentos de serviços alimentícios, outros produtores e embaladores estão prosperando porque as vendas no varejo de batatas frescas embaladas foram impulsionadas pelo aumento da frequência da comida caseira. O eBook relata como o valor monetário das vendas de batata em supermercados de várias lojas aumentou rapidamente em 67%.

O eBook congratula-se com o fato de os consumidores terem redescoberto a batata fresca, mas também pergunta se esse novo carinho durará. Pesquisas relatam que a maioria dos consumidores espera continuar cozinhando mais em casa após a pandemia, e 63% dos millennials dizem que continuarão comendo os alimentos de conforto que desfrutaram durante os bloqueios. Mesmo que isso não aconteça, o consumo global de batatas frescas está aumentando: o crescente número de pessoas que ganham renda da classe média nos países em desenvolvimento do Leste, onde o arroz é o alimento tradicionalmente preferido, está adquirindo gostos mais variados, influenciados por dietas de estilo ocidental.

Acompanhar a demanda, aumentando o rendimento da produção, é o maior desafio que muitos empacotadores enfrentaram durante a pandemia. Embora isso seja compreensível, o eBook observa que também é lamentável: quando os grandes varejistas de batata descobrem que seus fornecedores regulares não conseguem lidar com volumes maiores, procuram ajuda em outro lugar e os negócios que são evitados nem sempre voltam. Outro desafio relacionado à demanda é a necessidade de aproveitar a oportunidade de obter novos negócios, mas alguns empacotadores não possuem os sistemas operacionais, tecnologias de linha ou poder das pessoas para fazer isso.

As dificuldades de recrutar e reter mão-de-obra manual, conhecidas há muitos anos, também foram intensificadas pela pandemia. Menos pessoas estão dispostas a fazer esse tipo de trabalho. Nos países desenvolvidos, a maioria dos trabalhadores não qualificados prefere a segurança do emprego permanente a contratos sazonais; nos países em desenvolvimento, os trabalhadores manuais agora estão descobrindo que têm empregos mais desejáveis para escolher. Consequentemente, muitas empresas de embalagens dependem de trabalhadores estrangeiros temporários, mas devido a restrições de viagens relacionadas a pandemia, em muitos lugares esse estoque de mão-de-obra secou.

Outro desafio relacionado ao trabalho é o medo, alimentado por relatos de surtos em várias fábricas de processamento de alimentos, americanas e européias, de pegar o COVID-19 no trabalho. Isso é constrangedor para linhas de embalagem que se baseiam em métodos manuais para remover batatas de baixa qualidade e geralmente fazem com que as pessoas trabalhem próximas umas das outras.

Outro desafio levantado pela pandemia é a necessidade de flexibilidade operacional. O aumento da popularidade das batatas frescas significa que elas se tornaram uma arma de escolha na batalha entre supermercados para tentar compradores com ofertas especiais, mas essas ofertas mudam rapidamente de uma semana para a próxima. Isso significa que os embaladores devem ter a capacidade de mudar a linha de um tipo de batata ou especificação de produto para outra a curto prazo.

O eBook também analisa as necessidades de longa data de qualidade consistente do produto, que podem ser tão influentes quanto a oferta e a demanda na determinação da lucratividade e maior produtividade, porque taxas típicas de empacotamento de 60 a 80% significam que os empacotadores estão perdendo entre 20 e 40% do produto recebido. Esses números enfatizam o valor da recuperação do produto. O eBook dá o exemplo de como embalar batatas de Grau 1 em sacos transparentes pode parecer um bom negócio, porque o produto tem preço premium, mas a lucratividade pode depender da recuperação de batatas inferiores da linha para venda como produto de Grau 2.

O novo eBook da TOMRA Food conclui explicando como todos esses desafios podem ser resolvidos com as tecnologias de classificação ótica. Como benefício principal, as máquinas de classificação garantem a segurança dos alimentos e a qualidade consistente do produto, eliminando materiais estranhos e batatas não comercializáveis da linha de embalagem. Mais do que isso, os classificadores também reduzem a dependência do trabalho manual; possibilitar alternar com agilidade de um lote de produto para outro; melhorar o rendimento identificando problemas de fluxo de linha; maximizar os rendimentos recuperando produtos que não precisam ser desperdiçados; e classificar com precisão cada batata para garantir que o produto atenda às especificações exigidas.

Uma cópia do e-book, intitulada 'Potato Fresh Packers and COVID-19 Challenges' (em inglês), pode ser baixada aqui: potato ebook